Inicio | Compromiso | Adhesiones | ¿Qué podemos hacer? | Documentos y acciones | Sala de Lectura | Enlaces | Contactar
Cargando

Boletim Nº 103

Versión en español

A crise da água: Um problema tão grave quanto o da mudança climática

Os meios de comunicação internacionais estão ecoando a gravíssima crise hídrica que vem sofrendo a região metropolitana de São Paulo, a mais desenvolvida do Brasil, onde vivem cerca de 22 milhões de pessoas e é produzido um quarto do PIB do país. A agricultura e a indústria prevêem perdas milionárias e são anunciados cortes de água de até cinco dias por semana para as residências. Existe o risco de que todo o sistema hídrico da região entre em colapso e já fala-se de desastre natural, causado pela falta de chuva.

É necessário, no entanto, questionar estas idéias equivocadas de desastre "natural" e problema exclusivamente regional. A redução do índice pluviométrico útil, capaz de recarregar os aqüíferos, não é um fenômeno inesperado e inexplicável, mas uma catástrofe anunciada há anos, tanto para o sudeste do Brasil, como para muitas outras regiões do planeta. Na verdade, muitos países estão sofrendo ultimamente secas excepcionais e/ou chuvas torrenciais, ambas causando perdas dramáticas. Numerosos estudos científicos têm explicado as causas do aumento destes fenômenos extremos e proposto ações corretivas, embora interesses particulares de curto prazo tenham impedido até aqui de se tomar as medidas necessárias, com o qual se corre o perigo do processo de degradação tornar-se irreversível.

É bem conhecido, em particular, o papel que as emissões de gases de efeito estufa estão jogando sobre uma mudança climática que, além do aquecimento global, provoca alterações no ciclo de chuvas e aumento da freqüência e intensidade dos fenômenos atmosféricos extremos. Porém, secas como a que padece hoje o sudeste do Brasil não são uma mera conseqüência das emissões de CO2 no planeta: são também resultado de outras ações predatórias, como o desmatamento brutal da Amazônia, que agem diretamente sobre as chuvas na região, e contribuem significativamente para a perturbação do clima. Antonio Donato Nobre, membro do "Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia" brasileiro, reconhecido mundialmente como o maior especialista em sistemas amazônicos, acaba de publicar o relatório científico "O Futuro Climático da Amazônia", no qual explica o processo de formação na selva amazônica de autênticos rios de vapor de água, resultantes da evapotranspiração da massa florestal, os quais colidem na Cordilheira dos Andes e terminam desaguando em São Paulo e muitos outros lugares. A parte mais importante do relatório -para o qual Nobre teve em conta os resultados de mais de 200 trabalhos científicos- é o que trata do sério risco de um colapso total e rápido do sistema Amazônico para evoluir para uma savana, provocando a desertificação da região mais rica da América Latina. Isso implicaria o desmoronamento do sistema econômico, o empobrecimento da população, fome, conflitos sociais, violência em grande escala, abandono das cidades e caos generalizado. Portanto, Nobre diz: "o tempo terminou". Não sabe se já não se ultrapassou o ponto de retorno, mas sim que "a situação é terminal" e que não e possível se cortar mais uma árvore.

A atual falta de água em São Paulo é apenas uma antecipação da catástrofe planetária que assistiremos nos próximos anos, se não mudarmos os nossos modos de vida e de organização social, orientadas hoje pela busca de benefícios individuais de curto prazo. A proteção de áreas naturais é uma condição imprescindível, pois a qualidade e quantidade das águas produzidas dependem da manutenção da vegetação nativa.Todavia, não basta interromper já a degradação: é preciso, como exige Nobre, um "esforço de guerra" para, entre outras ações, replantar e restaurar florestas em todo o país e, em particular, a floresta amazônica. É necessário também adotar medidas tais como a reciclagem de água, evitar o desperdício habitual tanto de indivíduos como de empresas, bem como as enormes perdas que ocorrem nos circuitos de transporte, etc.

As medidas necessárias para impedir a sede do planeta são conhecidas e exigem ação responsável de cidadania (ver Nova Cultura da Água), porque o acesso à água é um direito humano... do qual não desfruta plenamente boa parte da humanidade: não podemos esquecer que, de acordo com dados das NU, cerca de 800 milhões de pessoas vivem sem água potável no mundo e que morrem todos os dias 2.000 crianças por beberem água contaminada. Não podemos ignorar os perigos graves da crise hídrica afetar toda a humanidade.

A celebração a cada 22 de março do Dia Mundial da Água, instituído em 1993, é um chamado aos educadores, políticos e todos os cidadãos em defesa de um bem que é essencial para a vida. Referimo-nos, como uma contribuição a este apelo, a duas das muitas iniciativas com as quais a cidadania está respondendo à situação de emergência que está se vivendo em São Paulo. Iniciativas as quais convém divulgar, promover e generalizar.

Destacaremos, por um lado, a criação da "Aliança pela Água", uma rede formada por mais de 40 organizações da sociedade civil, reunidas desde outubro de 2014 para apresentar propostas que ajudem o Estado de São Paulo a lidar com a crise atual e construir uma nova cultura da água. Com este propósito, a Aliança elaborou e divulgou o documento “Chamado à Ação sobre a Crise Hídrica: por um Plano de Emergência para o Estado de SP”. O texto argumenta que "uma crise de grande proporções como a que estamos vivendo cria oportunidades para mudanças profundas no paradigma da gestão da água" a partir de princípios básicos como "o acesso à água é um direito humano e não pode ser tratado como uma mercadoria". Um princípio que já levou a cidades como Paris, Berlim e Buenos Aires a municipalizar novamente a gestão da água, revertendo sua privatização.

Também merece ser destacada a criação em São Paulo de um fórum de pesquisadores e professores para promover investigações conjuntas, desenvolver tecnologias e reivindicar informações confiáveis do poder público sobre a situação. Os reitores das universidades públicas têm divulgado o documento de criação do fórum e propuseram a existência de um modelo de atuação semelhante ao IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas). Uma iniciativa que deve ser recolhida em todo o mundo, como parte de uma forte reação à situação de emergência planetária, em que a crise hídrica e mudanças climáticas potenciam-se mutuamente, juntamente com outros problemas graves -desde uma contaminação sem fronteiras a desigualdades extremas- aos quais temos de enfrentar e lutar juntos.

Educadores pela Sustentabilidade
Boletíim Nº 103, 22 de março de 2015
http://www.oei.es/decada/boletin103.php
Dia Mundial da Água

 

 

 





 


 


IBERCIENCIA

La sostenibilidad de la A a la Z: Temas y palabras clave
Último Boletín

Creative Commons. Reconocimiento - No comercial: Los autores permiten copiar, reproducir, distribuir, comunicar públicamente la obra, y generar obras derivadas siempre y cuando se cite y reconozca a los autores original. No se permite utilizar la obra con fines comerciales.

Historial de Boletines

Sostenibilidad, Educación para la sostenibilidad, Economía y sostenibilidad, Crecimiento demográfico y sostenibilidad , Tecnociencia para la sostenibilidad, Reducción de la pobreza, Igualdad de género, Lucha contra la contaminación, Consumo responsable, Turismo Sostenible, Derechos Humanos y sostenibilidad , Diversidad cultural, Frenar el cambio climático, Biodiversidad, Urbanización y Sostenibilidad, Nueva cultura del agua, Poner fin al agotamiento de recursos, Gobernanza universal, Desertización versus protección de los ecosistemas, Reducción de desastres, Evitar conflictos y violencias, Desarrollo Rural, La transición energética, Ciencia de la Sostenibilidad, Objetivos de Desarrollo Sostenible

Ciencia y Universidad para el Desarrollo Sostenible OEI
07
09

Fracking, amenaza ambiental y de derechos humanos

En México, se considera que hay alrededor de mil pozos de “fracking” que ha abierto Pemex en Coahuila, Nuevo León, Puebla, Tabasco, Tamaulipas y Veracruz.
Son ya 13 años que la ...

06
11

El uranio amenaza el futuro ecológico del Campo del Yeltes

Maykel Pérez. SINC. La futura construcción de una mina de uranio a cielo abierto en una zona protegida de Salamanca ha llevado a vecinos y organizaciones ecologistas a denunciar el daño ...

06
04

Superando la dicotomía entre humanidades y ciencias: de las narrativas míticas a la difusión científica a través de la cultura del agua

Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad. Dossier Volumen 12, Número 35
El denominador común de los artículos que se presentan en este dossier es que fueron presentados ...

03
06

El reto de la acuicultura: ser sostenible

Patricia Luna. Chile. Agencia SIC. La mitad del pescado que se consume en el mundo procede de la acuicultura, una práctica que podría solucionar los problemas alimenticios de las 9.700 millones ...

03
03

Luis Enrique Hernández Castro (México) se basa en matemáticas para salvar especies en peligro

Como parte de sus investigaciones se ha analizado el comportamiento de la enfermedad del distemper canino que afecta a tigres siberianos
Una de las enfermedades más comunes que afectan a ...




subir
Inicio | Compromiso | Adhesiones | ¿Qué podemos hacer? | Documentos y acciones | Sala de Lectura | Enlaces | Contactar