Principal OEI

Monografías virtuales
Ciudadanía, democracia y valores en sociedades plurales

Línea temática: Cultura de centro y convivencia escolar

ISSN 1728-0001

 Vivencias

<< Volver

 

I Experiencia

Educação para a convivência

Estado de Santa Catarina
Secretaria de Estado da Educação e do Desporto

O Estado de Santa Catarina possui uma população de 5.349.580 habitantes, localiza-se na região sul do Brasil, compreendendo uma área de 95.442,9km2, correspondente a 16,54% da área da Região Sul e 1,12% do território nacional, sendo 3% da população do País. O Índice de Desenvolvimento Humano é de 0,816, ocupando a 4ª posição no cenário nacional, mas poucos Estados brasileiros podem igualar-se em belezas naturais e atrações culturais.

Nosso Estado possui 7.128 escolas, nas redes públicas estadual, federal, municipal e particular, com 1.678.798 alunos matriculados na Educação Básica.

Tem suas origens históricas ligadas aos povos indígenas Guarani, Xokleng e Kaigang, os quais subsistem em algumas áreas. Grande influência na população catarinense teve as correntes migratórias o que fez deste Estado local de grande diversidade étnica. Nosso Estado foi formado por açorianos, alemães, italianos, poloneses, africanos, portugueses, austríacos, ucranianos, noruegueses e asiáticos que juntaram suas peculiaridades aos temperos das ervas indígenas e deram um colorido especial às cidades e ao povo catarinense. Esse mosaico étnico – cultural convive com uma natureza rica, palco de um variado leque de atrações, situadas a pouca distância entre si, garantindo a todos os habitantes e aos visitantes as mais atrativas opções de lazer o ano inteiro.

Por outro lado, o Estado não está fora do contexto nacional e internacional quando trata das dificuldades de ensino-aprendizagem e avaliação, evasão escolar, bem como a convivência entre professores e alunos, entre os alunos e por conseguinte na comunidade e na própria sociedade.

Propor escolarização com qualidade, a todas as crianças e adolescentes, é uma das formas de zelar pela observância da Convenção Internacional dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Gerações jovens mais e melhor educadas representam, entre outras coisas, a possibilidade de se ter esperanças em futuras gerações que queiram conquistar uma sociedade não excludente. Lutar pela não exclusão de criança e adolescente implica em lutar pela não exclusão de todos, pois não há sociedade que exclua somente crianças. Consciente de seu papel e responsabilidade na participação e construção da cidadania transformadora da sociedade, o Estado de Santa Catarina vem promovendo e desenvolvendo ações sobre produção de uma cultura pela paz atendendo a política do “Movimento de Construção para a Cultura da Paz”, iniciado com a Agenda de Compromissos firmada em Brasília no dia 30 de junho de 1999, promovida pela UNESCO. Esta ação foi coordenada pela Secretaria de Estado da Educação e do Desporto, sendo priorizados dezessete (17) compromissos com doze (12) instituições governamentais e não governamentais, que acordaram parcerias.

Nossa agenda de compromissos tem como objetivo: “Propiciar ambientes e/ou relações que possibilitem o aprendizado e o exercício da cidadania à criança, ao adolescente e a toda comunidade, contribuindo para a construção de uma sociedade mais humana, justa e solidária”.

Com esse entendimento foi necessário organizar ações pedagógicas aliadas à apropriação do conhecimento científico e à formação ética para o desenvolvimento, buscando garantir a inclusão e permanência de alunos na escola, proporcionando quando necessário o atendimento especializado para aqueles que precisam.

Assim, buscar uma forma diferenciada de produzir educação, trabalhando a partir da particularidade que se apresenta na diversidade, é um desafio na educação dos sujeitos.

Nossa política educacional voltada para esse entendimento, tem trabalhado na formação continuada com os educadores sobre o processo ensino-aprendizagem, avaliação, ética, legislações, desenvolvimento infantil e adolescência.

  • Trabalhar em rede educação, saúde, justiça, assistência, construindo uma política pública de atendimento comum.
  • Fortalecimento das instâncias colegiadas nas unidades escolares Associações de Pais e Professores, Grêmios Estudantis e Conselhos Deliberativos Escolares.
  • Produção coletiva dos Projetos Políticos Pedagógicos onde também as normas de convivência estejam referenciadas pelas legislações afins e articuladas à filosofia de formação explicitada no mesmo e onde todos os envolvidos estejam comprometidos com os mesmos objetivos.
  • Inverter a postura de isolamento que impera na escola, em busca de proteção com muros altos, grades, vigilância, por projetos onde a comunidade ocupe as dependências da escola reconhecendo-a como espaço de convivência educativa, produzindo com os alunos da escola normas de convivência.
  • Propor aos adolescentes da escola a construção de seus projetos de vida que sejam viáveis a curto, médio e a longo prazo, buscando no diálogo a solução de conflitos.
  • Produzir em parcerias com outras instituições, materiais pedagógicos que permitam articulação entre teoria e prática sobre a temática nas escolas.

Com esse entendimento foi proposto cursos de formação continuada para professores multiplicadores nas escolas da rede pública estadual, com projetos de capacitação, envolvendo as vinte e seis Coordenadorias Estaduais de Educação, mais o Instituto Estadual de Educação, onde cada região a partir de suas necessidades estará desenvolvendo o seu projeto, atendendo suas especificidades.

Em 1999, foi instituído no âmbito das escolas públicas e particulares, concurso de trabalhos escolares, onde os autores selecionados tiveram seus trabalhos publicados no “Calendário da Paz para o ano 2000”. Os mesmos trabalhos selecionados foram encaminhados para um evento internacional “Mil Milênios da Paz”, entre os países do Mercosul, em Buenos Aires – Argentina, onde foram premiados oito alunos catarinenses.

Nosso cronograma de formação continuada para professores da rede pública estadual, tem como tema “Paz na Escola”, proposto no ano de 2000 para 280 professores multiplicadores, com 120 horas de duração, estendendo-se a possibilidade das Coordenadorias Regionais de Educação organizarem mais 40 horas nas suas regiões. Todo o evento foi organizado e trabalhado em parceria com o Ministério da Justiça.

Preocupados com a evasão escolar no Ensino Fundamental, o Ministério Público, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Educação, o Tribunal de Justiça, a União dos Dirigentes Municipais da Educação, a União Catarinense dos Conselhos Tutelares entre outras entidades, formaram uma grande parceria. Desta forma, o Conselho Tutelar, a Promotoria e o Juizado da Infância estão ao lado dos educadores, com o “Programa de Combate à Evasão Escolar – APÓIA, contribuindo para que todas as crianças e adolescentes possam permanecer na escola até a conclusão da 8ª série do Ensino Fundamental”.

Ainda no ano de 2001, publicamos para subsídios de nossos educadores o livro “A Educação e o Estatuto da Criança e do Adolescente” uma produção que buscou esclarecer aos docentes temas bastante polêmicos como o direito da criança e do adolescente, que advém da lei n.º 8069/90, Estatuto da Criança e do Adolescente.

Para efetiva viabilização desses programas e projetos, o Estado promulgou o Decreto nº4.180 em 07/03/02, homologando a Resolução 010/02 do Conselho de Segurança, oficializando o “Programa Reconstruindo a Paz”, uma forma de garantir as questões legais dos programas e diretrizes norteadoras que buscam exercitar os direitos de nossas crianças e adolescentes.

Foi realizado concurso com os alunos de todo Sistema Estadual de Ensino propondo criação do símbolo representando o movimento pela cultura da paz. Foi escolhido o símbolo que passamos a usar nos documentos oficiais do Estado. O símbolo é de autoria do aluno Daniel Pereira, cursando o Ensino Médio da cidade de Atalanta-SC.

Preocupados em atender as situações inerentes ao ser humano, tão antigas quanto a nossa história, como sexualidade, drogas, gênero, afetividade e DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) esta Secretaria em pareceria com UNESCO, Ministério da Saúde e Ministério da Educação, buscou uma maneira de fazer e olhar essas questões, juntamente com alunos e professores elaborou uma revista denominada “Novo Olhar”.

Entendendo que o grande desafio é construir uma cultura de cidadania e de paz na comunidade de nosso Estado, no mês de julho, foi firmada a “A agenda de Compromisso Para Erradicar a Violência e Prevenir o Uso de Drogas nas Escolas Catarinenses”. Vinte e sete instituições e entidades governamentais e não governamentais fazem parte da agenda de compromissos.

Viabilizando a nossa responsabilidade nesse compromisso assumido, organizamos e estaremos realizando nos meses de outubro e novembro do corrente formação continuada para 100 educadores multiplicadores, da rede pública estadual, produzindo conjuntamente três cadernos pedagógicos que deverão subsidiar a prática docente. Serão trabalhados os seguintes temas considerados importantes para fundamentação da prática docente:

  • ética e cidadania;
  • política de erradicação da violência buscando a cultura da paz;
  • prevenção ao uso indevido de drogas;
  • política de educação sexual;
  • elaboração conceitual;
  • conceitos essenciais das diferentes áreas do conhecimento;
  • teoria da atividade de aprendizagem;

Foram disponibilizadas vagas para dois representantes de cada entidade e instituição que queiram conhecer e discutir a política educacional proposta para este tema.

É necessário desenvolver na criança e adolescente a capacidade de resolver os conflitos através da palavra, sem destruir a liberdade.

Ninguém nasce santo...
Ninguém nasce bandido...

Ao falar da condição humana, é necessário entendermos que somos filhos do tempo de uma cultura e dos processos educativos que as sociedades produzem pela ação dos homens e mulheres.

Como pensar educação atendendo com qualidade às necessidades e os direitos garantidos na Constituição, a todas as crianças e adolescentes e que, ao mesmo tempo, garanta que elas possam continuar maravilhando-se com o mundo, descobrindo seus mistérios e reinventando um mundo novo...

Entendemos que educação é um direito de todas as crianças e adolescentes de nosso Estado e que cabe a nós, educadores, proporcionarmos vivências, trocas, esperanças, acertos, desacertos, descobertas, dúvidas e desafios, aprendizagens.

É nossa responsabilidade trabalhar no currículo escolar programas em que o exercício do verdadeiro sentido de cidadania, que é a prática diária dos direitos individuais, sociais e de responsabilidades vivenciadas, sejam garantidos e exercitados.

Educação é uma questão de justiça.

Sementes de paz

Rodrigo Ribeiro dos Santos Ferreira

Primeiramente a Paz deve ser eterna
Brilhar mais que a luz de uma lanterna
Não por uma simples obrigação
Mas por um mundo com amor e compreensão.

A Paz para ser vivida, é preciso realizar
Trazer do altar de nossa casa
Serenidade, fraternidade, amizade
E principalmente saber amar.

Para muitos é inexistente
Para outros é somente ausente
Para poucos é realidade convincente
E para o mundo é na verdade vinda do inconsciente.

Onde o mundo inteiro terá uma vida para contemplar
Hoje, amanhã e sempre a Paz plantar
Para nunca mais ficar ausente
Pois agora ela é somente uma semente.

Lançando no mundo uma semente,
Mesmo pequenina com certeza vingará
Vinda do universo, o brilho você verá
Como raio resplandecente para sempre existirá

Escola: EEB João José de Souza Cabral
Série: 8ª CRE: 18ª Município: Canoinhas – SC

Fórum Sub-regional Sobre Convivência Escolar e Qualidade Educativa

A professora Elzi Maria dos Santos, diretora do Centro de Ensino Fundamental 02 do Paranoá, vai representar a Secretaria de Estado de Educação do DF e o Ministério da Educação no Fórum Sub-regional Sobre Convivência Escolar e Qualidade Educativa, promovido pelo Ministério da Educação do Chile e pela Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura - OEI, que será realizado, a partir da próxima segunda-feira, 7, até o dia 9 de outubro, em Santiago, no Chile. Foram convidados profissionais da área de educação representantes da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, para que sejam compartilhadas experiências significativas desenvolvidas no âmbito escolar sobre valores e convivência, visando à melhoria da qualidade de ensino.

A direção do Centro de Ensino Fundamental 02 do Paranoá, juntamente com toda a comunidade escolar, desenvolve, várias ações de convivência escolar, priorizando a elevação da auto-estima, por meio da valorização da boa aparência e da estimulação do respeito mútuo. Para isso, foram organizados concursos de beleza, palestras sobre auto-estima, sexualidade e convivência familiar e escolar, pintura em grafite e outras, que resultaram numa mudança de postura quanto aos valores e à convivência com o próximo.

Serviço: Centro de Ensino Fundamental 02 do Paranoá - 369-7267

<< Volver