OEI | CienciaEIC | Formación | Boletín | Novedades | IberDivulga | Contactar RSS Twitter G + Facebook OEI Canal YouTube
Cargando


Áreas de Cooperación Educación | Ciencia | Cultura

O Conhecimento na Realidade Social. Lumier, Jacob (J)

Compartir en facebook Compartir en Twitter

Esta pequena obra aplica a mirada diferencial, põe em relevo a consciência coletiva e contribui para superar o preconceito contrário a sociologia do conhecimento de que haveria uma estrutura lógica na base das sociedades.

Em face da confusão com a gestão dos arquivos eletrônicos, afirma o caráter humano do conhecimento de que fazemos a experiência nos debates, avaliações e reflexões dos temas coletivos reais.

Neste marco, desenvolve um posicionamento crítico em relção às chamadas “ciências da cognição”, cujo aproveitamento das novas técnicas visuais da neurociência fez crescer seu prestígio e influência, difundindo-se a falsa suposição de que, ao examinar o funcionamento do cérebro, a neuropsicologia seria capaz de visualizar os processos mentais ou, pelo menos, exercer uma observação muito próxima disso. Tal o engano desejado.

Em realidade esse desiderato não se verifica. Os processos mentais não podem ser diretamente observados, mas apenas constatados por inferência e de modo retroativo.

A neurociência não alcança a visualização dos fatos mentais, tais como a simbolização ou o aprendizado, mas somente de seus correlatos fisiológicos.

Esta publicação tem em vista informar sobre as noções mínimas para a compreensão da atual sociologia do conhecimento.

Palavras-chave: comunicação, conhecimento, consciência, experiência, equação existencial, his-tória, psicologia, psiquismo, quadros sociais, so-ciologia, tecnificação, temas coletivos.

Lumier, Jacob (J) [1948]:
"O Conhecimento na Realidade Social"
Tópicos de Sociologia
Editor: Bubok Publishing S.L., Madrid
Janeiro 2016, 95 págs.
Notas, bibliografia e Índice analítico (sumário)
Produção de e-book:
Websitio Leituras do Século XX – PLSV:
Literatura Digital
http://www.leiturasjlumierautor.pro.br 

1. Comunicação Social. 2. Teoria Sociológica
I. Título.

©2016 by Jacob (J.) Lumier
Alguns Direitos Reservados

APRESENTAÇÃO


1). Muitos criticam a sociologia e lhe atribuem apressadamente a ideia utilitarista e produtivista de que a vocação do homem é produzir, fazendo da técnica e da tecnologia o principal instrumento de sua emancipação. Não é bem assim. O caráter histó-rico da sociologia, afirmado em sua vinculação à sociedade industrial, por Saint-Simon, não se restringe em valorizar o desenvolvimento das forças produtivas, mas releva da confiança na realização de obras, que marca os séculos modernos, e implica afirmação da consciência da liberdade humana.
 A compreensão pragmática do saber, cultivada pelo sociólogo, leva a enfrentar os desafios de hoje em dia, notadamente, a compreensão restrita de que o conhecimento se resume na habilidade manuseada quando estamos ao computador, esque-cidos que as habilidades são estudadas em sociologia como um aspecto de uma classe do conhecimento, no caso o conhecimento técnico.

Adentrar a internet adquiriu tal alcance que nos faz lembrar o frisson do filme em três dimensões dos anos sessenta, quando as pessoas iam ao cinema para maravilharem-se com a experiência dos óculos bicolores, e impressionarem-se com as imagens espacializadas que deles brotavam.

Vê-se por aí que, cada vez mais, se imagina a realidade do conhecimento pelo prisma da Web, como o quid emergente através dos portais da rede de redes. O conhecimento é confundido aos próprios arquivos eletrônicos que se podem administrar e gerir pelo exterior como qualquer recurso industrial.

Por esse modo exteriorizado vê-se cada vez menos o caráter humano do conhecimento, de que fazemos a experiência nos debates e nas reflexões dos temas coletivos reais, como se a linguagem pura dos algoritmos houvesse gerado o simbolismo vazio de uma sintaxe lógica prévia, como exigência suposta para aceder ao conhecimento.

2). Certamente, tal sugestão visando redirecio-nar a sociologia em proveito da tecnologia pode ser associada notadamente às chamadas “ciências da cognição”, cujo aproveitamento das novas técnicas visuais da neurociência fez crescer seu prestígio e influência, difundindo-se a falsa suposição de que, ao examinar o funcionamento do cérebro, a neuropsicologia seria capaz de visualizar os processos mentais ou, pelo menos, exercer uma observação muito pró-xima disso. Tal o engano desejado.

Em realidade esse desiderato não se verifica. Os processos mentais não podem ser diretamente observados, mas apenas constatados por inferência e de modo retroativo.

A neurociência não alcança a visualização dos fatos mentais, tais como a simbolização ou o aprendizado, mas somente de seus correlatos fisiológicos.

Utilizando aparelhos como os de ressonância magnética e de tomografia, observa somente aquilo que acontece no organismo enquanto os processos mentais se desenrolam.

3). Navegando contra tal corrente utilitarista, projetada sobre a tecnificação do saber, o sociólogo examina o conhecimento a partir da realidade social de conjuntos, sem adotar por princípio a subordina-ção dos homens às máquinas.

Note-se que não se trata aqui apenas do co-nhecimento científico, mas, como fato social, o co-nhecimento é praticado em todo o juízo que preten-da afirmar a verdade sobre alguma coisa – verdade como simples correspondência da experiência e dos fatos. Por conhecimento devem entender “os atos mentais em que se combinam a experiência imediata e mediata em diferentes graus com o juízo” . Intuições e juízos diferenciados nas avaliações, debates e reflexões dos temas coletivos reais .

 Há classes diferenciadas do conhecimento, va-riando com eficácia em função dos Nós-outros, gru-pos, classes sociais e sociedades globais . O método e a atividade do sociólogo têm foco no pluralismo efetivo da realidade social, com alcance prestante para descobrir e descrever os aspectos que escapam ao domínio do utilitarismo doutrinário.

Lembra que tal orientação diferencial aqui ob-servada, tem ascendência no histórico da sociologia. Sociólogos notáveis como Durkheim manifestaram recusa da "utilidade" como valor normativo, critério último das ações humanas, e base mensurável de análise das questões políticas, sociais e econômicas. Desta sorte, é válida a atitude intelectual que, reco-nhecendo a especificidade da consciência coletiva, se opõe a toda tentativa de estabelecer um absoluto com imposição aos fatos sociais .

***


Sumário
APRESENTAÇÃO 15
INTRODUÇÃO: A Variabilidade Como Critério. 19
PARTE 1: A Tecnologia, A Indústria Cultural E O Conhecimento 23
Os Juízos Cognitivos 24
Ciências da cognição e sociologia 26
Os símbolos Sociais e o problema da comunicação 28
A consciência coletiva e a consciência individual 29
As Classes do Conhecimento - I 30
O saber como regulamentação social 34
As categorias lógicas são sociais 38
PARTE 2: Sentimento Coletivo E Conhecimento 41
A psicologia interpessoal no sentimento coletivo 42
A Imitação e as Relações com outrem 44
Imanência recíproca e implicação mútua 46
Gestalttheorie e Sociologia 48
O Critério científico da sociologia 51
A concepção conservadora 52
PARTE 3: O Preconceito Contra A Sociologia Do Conhecimento 57
Diversidade dos modelos de verificação 58
A dimensão sociológica da linguagem 59
Mito e conhecimento 61
PARTE 4: As Classes Do Conhecimento – II 63
O conhecimento técnico 64
Técnica e Tecnologia 65
Tecnificação e Sociologia 67
Posicionamento realista 69
O conhecimento científico e seus coeficientes sociais 71
História e sociologia 73
Técnica e Tecnificação 74
Tecnificação e sintaxe 76
Desenvolvimento das expectativas 77
A mirada diferencial 78
Perfil do autor 81
NOTAS 83

Descargar PDF

26 de enero de 2016

 

Filtrar noticias

  - Todas las noticias
- Ciencia
- Universidad
- Sala de Lectura Ciencia y Universidad
- Sostenibilidad
- Instituto Iberoamericano de la Enseñanza de las Ciencias y la Matemática – IBERCIENCIA
- Sala de Lectura - IBERCIENCIA

Suscripción gratuita a las Novedades de Ciencia y Universidad de la OEI

  - Acceso al formulario

Convocatorias Centro de Altos Estudios Universitarios de la OEI

#Paraguay: Seminario Internacional “Políticas de Ciencia y Tecnología desde un enfoque CTS”

El Seminario Internacional “Políticas de Ciencia y Tecnología desde un enfoque CTS: indicadores, riesgos y oportunidades”, se llevará a cabo el martes 14 de marzo desde las 16:00 hs. en el Salón Josefina Plá de la Universidad Autónoma de Asunción. La actividad es gratuita y está dirigida al público en general.
El disertante será José Antonio López Cerezo, catedrático en Lógica y Filosofía de la Ciencia en la Universidad de Oviedo. Es considerado uno de los investigadores más destacados del ámbito iberoamericano con un amplio reconocimiento en la vanguardia de la investigación mundial en temas de Ciencia, Tecnología y Sociedad que ha tenido una influencia decisiva en el impacto del enfoque CTS en Iberoamérica.

Llamada para Publicación (Propuestas de capítulo de libro) del Club Scratch

Scratch representa actualmente una de las iniciativas más emblemáticas del movimiento internacional que aboga por la incorporación de la enseñanza de la programación informática en edades tempranas, pero con un enfoque metodológico adecuado.

Seminario STEM desde las matemáticas

Actividad aplazada al cuarto trimestre de 2017

Convocado por la Federación Española de Profesores de Matemática (FESPM) y la Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI) a través de su Instituto especializado IBERCIENCIA.
Este Seminario es acreditado por el INTEF del Ministerio de Educación, Cultura y Deportes de España

#Paraguay: Seminario Internacional “Educación, CTS y las cuestiones contemporáneas, técnicas y humanas”

El Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología convoca con el apoyo de la OEI de Paraguay al Seminario Internacional “Educación, CTS y las cuestiones contemporáneas, técnicas y humanas”, que se realizará en el marco de la Cátedra CTS el próximo martes 21 de febrero, en el salón Josefina Plá de la UAA, de 16 a 18 horas.

WebinarCIBEM. Modelo de enseñanza de fracciones en México

Continuando con el ciclo de videoconferencias programadas como actividades previas al CIBEM, os convocamos de nuevo para el 23 de febrero, a las 22 horas (horario de España) a la conferencia “Modelo de enseñanza de fracciones en México”, que será impartida por la candidata a Doctora en Ciencias con Especialidad en Matemática Educativa en el Cinvestav-IPN Carolina Rubí Real.

Más convocatorias: 0 | ... | 40 | 45 | 50 | 55 | 60 | 65 | 70 | 75 | 80 | ... | 215



Observatorio Iberoamericano de la Ciencia, la Tecnología y la Sociedad

Revista CTS
     
     


Escuela de Ciencia

     
     


Apropiación Social de la Ciencia

     
     


Otras Actividades Programáticas

     
     
     
subir   subir
© Organización de Estados Iberoamericanos 2011. Actualizado el 16-Dic-2012 Desarrollo y mantenimiento: asenmac