OEI

Está en:
OEI - CREDI - Boletín de Novedades - Julio 2004


BOLETIM TÉCNICO DO SENAC

Acceso revista electrónica

Vol. 29, nº 1 janeiro-abril de 2004

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, SENAC


SUMÁRIO

Comunidades receptoras locais e comunidades de turistas: rendimensionando responsabilidades para um turismo sustentável. A possibilidade de redefinir os princípios que regulam os modelos de coexistência temporária – encontros entre o civilizado e o exótico, o dominante e o dominado, o dominante e o dominado, o global e o local – , traz um panorama de reflexão acerca da dimensão social da sustentabilidade turística. O exame sobre a crise da modernidade, ancorada ao modelo dicotômico que identifica natureza e sociedade como categorias arbitrariamente isoladas e estanques, conduz a uma maior visibilidade sobre as condiç0245es híbridas que instabilizam a dinâmica das interações entre identidades individuais e coletivas. Ana Lúcia Camphora Pacheco 4

Mapeamento semántico do Turismo sustentável (Arquitetando um novo País). Apresenta uma análise das implicações teóricas do turismo sustentável a partir de suas imbricações semánticas. O objetivo é verificar se é possivel que o turismo sustentável contribua para desenhar um novo país, tanto do ponto de vista geofísico quanto do ponto de vista sociocultural. Tal análise se faz necessária em um momento em que as pessoas viajam cada vez mais em busca de destinos naturais e em que os teóricos se distanciam uns dos outros por meio de conceitos nebulosos. Luciano Amaral Oliveira 12

Turismo sob a ótica da sustenbilidade. As discussões acerca do desenvolvimento sustentável e o papel do turismo na sociedade moderna têm se intensificado nos últimos anos, uma vez que a atividade turística passa a ser constituir como um fator-chave – às vezes único – para a dinamização e inserção de regiões e até países na rota do consumo espacial. Dessa maneira, a manutenção ou mesmo a busca da sustentabilidade torna-se instrumento norteador básico de política, panejamentos e de gestão da atividade turística, que fundamentadas na tríade eficiência econômica, eqüidade social e conservação ambiental baseada, sobretudo, na complementaridade dos setores públicos e privados a partir da participação cidadã, podem promover algumas bases para o desenvolvimento. Cristiane Alcântara de Jesús Santos 20

Turismo sustentável: oportunidade de empreendedorismo e conservação ambiental. Conciliar crescimento econômico e conservação ambiental é, certamento, um dos principais desafios para o século XXI. Em algumas regiões do estado de São Paulo isto já acontece; os empreendimentos que dependem do aproveitamento do patrimônio natural, particularmente das diversas modalidades de turismo no meio rural, há superam as atividades que degradam o ambiente. Nesses territórios, a natureza não é mais um obstáculo, mas sim o principal trunfo para o crescimento econômico. Eduardo Mazzaferro Eblers 28

A função social do ecoturismo. O ecoturismo representa um novo segmento do mercado turístico que tem recebido atenção em função de suas relações estabelecidas com a dinâmica cultural e ecológica. Contudo, seu contexto socieconômico tem permanecido em segundo plano. Partindo do pressuposto da necessidade de se elaborar políticas públicas de caráter distributivo que enfrentem a concentração de renda no país, a presente reflexão procura analisar a função social do ecoturismo a partir das relações produtivas e mercantis, na perspectiva de visualizar com mais clareza o papel do ecoturismo na mudança social. Philippe Pomier Layrargues 38

Turismo, sustentabilidade e a paisagem. O desafio da sustentabilidade em diversas áreas de atuação tem demandado esforços por parte de pesquisadores e da comunidade como um todo. Com o crescimento das atividades de Ecoturismo inúmeras áreas têm sido procuradas cada vez mais intensamente por grupos de pessoas motivadas pelo estresse cotidiano, buscando momentos de lazer e harmonia com a “natureza”. Atualmente, o fenômeno turístico tornou-se tão intenso que tem gerado o deslocamento de multidões a ambientes não preparados para recebê-las, causando impactos sociais, culturais, econômicos e ambientais, incluindo-se aí as alterações na paisagem. Milton Soares Val

Publicações 54

Senac Notícias 55


FICHA BIBLIOGRÁFICA

TÍTULO REVISTA: Boletim técnico do SENAC [en línea, http://www.senac.br/boletim]
PUBLICACIÓN: Río de Janeiro [Rua Dona Mariana 48, Botafogo, 22280-020]: SENAC, Centro de Documentação Técnica, 1981-
ENTIDAD RESPONSABLE: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial [Rio de Janeiro, Brasil], SENAC. Centro de Documentação Técnica
NOTAS: Cuatrimestral. - Cambia de formato en 1993
COMPRENDE: [1981 f.1]1982-1988[1989 f.1]1990[1991 f.3]1992-1994[1995 f.4]1998-2003[2004 n.1]-
DESCRIPTORES: Brasil; Formación profesional; Educación
PAÍS/ORGANISMO: Br
IDIOMA: Por
ISSN: 0102-549X
TIPO DOCUMENTO: Periódica
LOCALIZACIÓN: CREDI, Madrid, Es
SIGNATURA: BRA.I.R
MFN 0062
FECHA ENT.: 10-07-2004


 

© Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura