educación inclusiva

OEI e UNESCO apresentam um guia de inclusão e equidade educacional para a Ibero-América

Educação . 04/12/2018
Tamaño del texto + -

O secretário-geral da OEI, Mariano Jabonero, e o coordenador do Programa de Inovação e Liderança em Currículo, Aprendizagem e Avaliação da Secretaria Internacional de Educação (OIE-UNESCO), Renato Opertti, apresentaram esta manhã, na Casa da América o documento Ibero-América inclusiva. Guia para garantir a inclusão e a equidade na educação na Ibero-América.

O guia, elaborado pelas duas instituições, coloca o foco no princípio de que as pessoas mais vulneráveis e com dificuldades de acesso à aprendizagem na Ibero-América devem ter garantido o mesmo direito à educação que o restante da população. O documento está alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estabelecidos pela Agenda 2030 e, mais especificamente, com o ODS 4, que propõe “assegurar a educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

Durante o seu discurso, Jabonero destacou a diversidade cultural e a riqueza da região, circunstâncias que também a tornam a região mais desigual do planeta.

Neste sentido, o secretário-geral mencionou a necessidade de superar esta situação e enfatizou que “esta nova contribuição da OEI, em colaboração com um dos seus parceiros estratégicos, a UNESCO, visa apoiar o desenvolvimento de políticas educacionais e práticas inclusivas que estabeleçam a igualdade no benefício do direito à educação de todas as pessoas, definindo formas de ensino, apoio e liderança que constituem a base de uma educação de qualidade para todos e todas.

Além disso, Jabonero afirmou que o guia é uma ferramenta útil para melhorar as futuras ações da organização, que aposta na equidade e na inclusão educacional em sua nova proposta 2019-2020 apresentada no último 27 de setembro, no 77º Conselho Diretivo da OEI realizado na Guatemala.

Por sua vez, Opertti, observou que a região não tem sido indiferente à questão da inclusão, embora seja necessário aprofundar em políticas públicas mais abrangentes que reduzam as desigualdades. A este respeito, ele ressaltou que “é necessário dar maior ênfase à necessidade de adotar políticas públicas e práticas educacionais inclusivas e equitativas que contribuam para construir e alcançar sociedades mais justas”.