VENCEDORES NACIONAIS 2019

O Prêmio Ibero-Americano de Educação em Direitos Humanos reconhece o trabalho de instituições que têm trabalhado ativamente na defesa e na promoção dos direitos humanos por meio da educação e da pedagogia. O prêmio estabelece duas categorias de participação: escolas e/ou centros educacionais de educação formal (categoria A) e organizações da sociedade civil (ONG) e de educação não formal (categoria B).

Em cada país, um representante vencedor é selecionado por cada categoria. Os vencedores nacionais participarão da segunda etapa do prêmio, a internacional, que será realizada na Cidade do México nos dias 26 e 27 de novembro de 2019 e na qual os vencedores serão escolhidos no nível ibero-americano. Os vencedores internacionais, um por cada categoria, receberão um cheque no valor de cinco mil dólares para investir no projeto finalista.

A seguir, é apresentada uma lista dos vencedores nacionais de 2019 selecionados pela OEI, pela Fundação SM e pelo júri de cada país:

ARGENTINA

Categoria A-Secundária, Técnica e Solidária. Este projeto possibilita o acompanhamento de trajetórias escolares reais, a diversificação e a significância nas propostas de aprendizagem, e a democratização e a viabilidade no acesso à livre circulação da informação, para favorecer o comprometimento de seus atores na tomada de decisões. 

Categoria B- Na categoria B, onde competiam as organizações da sociedade civil, foram eleitos dois vencedores:

Rede de Jovens do Centro Ana Frank Argentina (empoderamento dos jovens). Inspirados na universalidade da mensagem de convivência na diversidade do testemunho de Anne Frank e, a fim de gerar o empoderamento dos jovens para assumirem compromissos, as nossas ações visam criar oportunidades de encontro, a reflexão e expressão criativa a partir de uma pedagogia de memória e de esperança. A metodologia de trabalho utilizada pretende colocar o jovem no centro da discussão e no exercício de seus próprios direitos, como destinatário e produtor de experiências significativas de aprendizado por meio do que chamamos de educação entre pares.

Biblioteca Popular La Carcova. O projeto consiste em fortalecer o trabalho de acompanhamento jurídico aos presos e suas famílias mediante uma ferramenta comunitária que devemos chamar de "defensoria territorial". Esta ação de “defensoria territorial" é baseada em um exercício de valorização do conhecimento da experiência jurídica e penitenciária que se instala na comunidade e complementa o referido know-how com um conhecimento mais técnico sobre a estrutura jurídica local e uma ideia de acesso à justiça regional em matéria de justiça social.  

BOLÍVIA

Categoria A - A iniciativa Misk’i waway ("Meu doce filho") do  Instituto Tecnológico Sayarinapaj visa contribuir para a redução do abandono escolar de jovens mães que desejam continuar seus estudos e alcançar uma profissão nos diversos cursos oferecidos pelo Instituto Tecnológico Sayarinapaj. Da mesma forma, ele promove e fortalece o vínculo afetivo mãe-filho, que é fundamental para o bem-estar socioemocional de ambos e incentiva a responsabilidade dos pais e das mães estudantes no referente ao cuidado dos seus filhos.

Categoria B - O programas de Exercício de direitos e participação política da juventude rural do Centro de Investigação e Promoção dos Camponeses (CIPCA) tem como objetivo geral fortalecer o conhecimento e as capacidades críticas, propositivas, a organização e a mobilização de jovens, homens e mulheres, para o exercício de seus direitos sociais e políticos.

Mais informação

BRASIL

Categoria A- O “Mãos que Falam”, executado pelo Centro de Educação Infantil Municipal Aquarela, é um projeto de inclusão de professores no universo da educação infantil e que tem como referência a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Ele está imerso na educação básica formal, de responsabilidade do Município de Chapecó, em Santa Catarina, no Brasil. Ao longo do desenvolvimento do projeto, nos últimos três anos, cerca de 1.800 pessoas foram diretamente beneficiadas, entre o público interno e o externo. Indiretamente, o projeto tornou-se uma referência para toda a comunidade escolar e seu entorno.

Categoria B- Criada em 24 de abril de 2013, a TV INES é uma parceria entre a ACERP e o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Trata-se da única televisão da América Latina que oferece programação integrada para os públicos surdo e ouvinte (existem apenas 5 em nível mundial). Ela oferece uma ampla programação com foco na comunicação educativa: informação, cultura, entretenimento, esporte, documentários, desenhos animados, revistas eletrônicas, filmes com legendas descritivas, talk show em língua brasileira de sinais, etc. O desafio diário é produzir um canal na web bilíngue e construir narrativas audiovisuais que combinem a Língua Brasileira de Sinais e a Língua Portuguesa, integrando os dois públicos.

Mais informação

COLÔMBIA 

Categoria A- O projeto "Experiência etnoeducacional bilíngue para alunos com deficiência auditiva" da Instituição Educacional Francisco de Miranda - INEFRAM "Centro piloto de etnoeducação dos povos indígenas da Guainia" é desenvolvido desde 2012 no departamento de Guainia, localizado a sudeste da selva amazônica colombiana, onde mais de 84 comunidades indígenas convergem com a diversidade étnica, social, cultural e linguística, representando mais de 85% de sua população total. O objetivo da iniciativa é garantir o direito fundamental à educação de alunos com deficiência auditiva, acesso, permanência e trânsito pelo sistema educacional, sem nenhum tipo de discriminação e em igualdade de oportunidades. Para isso, é promovida a oferta educacional na modalidade bilíngue e bicultural aos alunos com deficiência auditiva, gerando ambientes linguísticos estruturados que garantem o pleno direito de adquirir e aprender a língua de sinais colombiana e acompanhando as famílias dos alunos com deficiência auditiva, para que sejam partícipes do processo de formação educacional.

Categoria B- Desde 2015, mediante a iniciativa "A escola penitenciária nacional e a formação de direitos humanos no contexto penitenciário colombiano - INPEC" de educação não formal, no âmbito da educação penitenciária, a ênfase tem sido colocada no respeito pelos direitos humanos das pessoas privadas de liberdade. Neste sentido, é crucial que o pessoal penitenciário aprenda sobre a conduta das pessoas privadas de liberdade transcendental, a dinâmica da subcultura penitenciária, o tratamento penitenciário e, especificamente, como lidar com a tensão das condições de trabalho. que serão enfrentadas, por meio da gestão e controle das emoções, melhorando assim a sua capacidade de resposta de maneira assertiva, refletida na concepção de um tratamento digno.

Foram realizados 25 workshops sobre direitos humanos e uso da força, com 787 participantes; 4 seminários-workshop, com 86 participantes e 3 processos de "Lições Aprendidas". A metodologia utilizada foi a de autoavaliação para analisar os casos em que os direitos humanos foram violados em centros de detenção de ordem nacional e para estabelecer ações de melhoria que reduzam as possibilidades de que um fato semelhante aconteça novamente. Desta forma, conseguiu-se a capacitação de 1084 agentes penitenciários. Também aconteceu a “Primeira titulação de instrutores em direitos humanos e uso da força no contexto do sistema penitenciário” e a “Formação em relação aos direitos da população LGBTI e de pessoas com orientação sexual e identidade de gênero diversas, privadas de liberdade”. No que diz respeito à transversalidade da educação em direitos humanos, nos diferentes programas acadêmicos, cerca de 5.000 funcionários foram capacitados por ano, incluindo as reciclagens e as atualizações em planos e programas estratégicos.

O impacto da formação e da capacitação em direitos humanos tem sido notório em dois aspectos: a satisfação que o programa gerou nos funcionários com uma avaliação dos participantes de 94,4 pontos numa escala de 100 e a sensibilização sobre o tratamento digno como resposta positiva na interação dos funcionários com as pessoas privadas de liberdade.

Mais informação

COSTA RICA

Categoria A- O projeto “Be a buddy, not a bully”, do Centro Educacional Bilíngue ILE, busca fortalecer, empoderar e tornar independentes os seus alunos. Por essa razão, ele foi reconhecido na categoria dedicada às escolas de educação formal. A iniciativa consiste em oferecer formação para que os jovens líderes tenham a capacidade de dialogar com adultos, exercer a escuta ativa com os pares, ser mentores dos alunos mais jovens e saber identificar a violência para preveni-la e combatê-la. Além de trabalhar com a população estudantil, o corpo docente e administrativo recebe um treinamento de protocolo do Ministério da Educação Pública para o atendimento dos casos de violência.

Categoria B- O projeto “Eu posso trabalhar” foi o vencedor na categoria de organizações da sociedade civil (ONG) e de educação não formal, desenvolvido pela Fundação “Eu Posso, e Você?”. A iniciativa está voltada para a capacitação de pais, mães e professores de pessoas com deficiência e visa garantir uma abordagem formativa desde a infância para melhorar as habilidades profissionais. No mundo corporativo, são realizadas análises de cargos e treinamento de pessoal para incluir pessoas com deficiência nas equipes de trabalho e oferecer empregos com suporte, caso seja necessário.

CHILE

Categoria A-  O projeto “Inclusão para a equidade social” incorpora a abordagem transversal de gênero na educação e transforma o projeto educacional institucional do centro educacional por meio da valorização da comunidade LGBTI.

Categoria B- O projeto de sensibilização sobre a cultura da deficiência auditiva, realizado pela Fundação Laboratório de Arte Lobo Temporal, se enquadra na pesquisa, desenvolvimento e divulgação do documentário Último Año, que expõe a violação dos direitos humanos sofridos por meninos, meninas e adolescentes da comunidade surda do Chile no contexto da educação.

EQUADOR

Categoria A-  O projeto “Mulher e Comunidade” da Unidade Educacional Municipal Calderón promove, desde 2016, uma cultura de respeito por meio da arte aos alunos e seu papel como agentes de mudança social, incluindo a abordagem de gênero.

Categoria B- A proposta “Formação de comunicadores comunitários de 11 nacionalidades indígenas pertencentes à CONFENAIE” da Faculdade de Comunicação Social da Universidade Central do Equador é realizada na Amazônia e trabalha com organizações indígenas camponesas, comunicadores e jornalistas.

Mais informação

EL SALVADOR

Categoria A- O projeto "Cultura de Paz" do Colégio Bautista Enmanuel procura responder a uma situação de violência que vive o país e permite proporcionar dinâmicas interativas em duas linhas: a prevenção da violência e a promoção da cultura de paz. É composto por quatro eixos transversais: educação para a paz, normas de convivência, Reflepaz (reflexão pela paz) e grupo Fazedores de paz.

Categoria B- O projeto “Programa terapêutico comunitário para os direitos humanos das crianças com deficiência do departamento de Usulután” da Comunidade Monsenhor Romero promove um espaço para receber e acompanhar pessoas marginalizadas por sofrerem algum tipo de deficiência física ou intelectual, incluindo a assistência às suas famílias em terapias e saúde, educação e formação, impacto e comunicação, e espiritualidade e comunidade. 

ESPAÑA 

Categoria A-  O projeto “Nariz de Palhaço” do Colégio Reyes Católicos de Santa Fe em Granada surge para erradicar o bullying e envolve toda a comunidade educativa do centro educacional, para que os meninos e meninas compreendam melhor as suas emoções, aprendam a canalizá-las, a assumi-las e a dar-lhes sentido.

Categoria B- A proposta “Libertas. Defendendo a liberdade de expressão” do Instituto de Mediação Educacional de Ribeira (IMER) da Corunha promove o direito à liberdade de opinião e de expressão com base em 9 casos reais de escritores, jornalistas e blogueiros que tiveram a sua liberdade de expressão restrita.

Mais informação

GUATEMALA

Categoria A - “Utilização de material audiovisual e de jogos para o ensino dos direitos humanos” da Escola Oficial Rural Mista, Aldea La Ventura, no município de Jalapa, no estado de Jalapa.

O material audiovisual é a melhor maneira de proporcionar uma aprendizagem construtivista durante o processo de ensino-aprendizagem na Escola Oficial Rural Mista, Aldea La Ventura, de Jalapa, com professores de sistema multinível e, este ano, com um único professor para os seis anos.  

Categoria B - “Jovens discutindo sobre os desafios para construir a paz na exposição “Por que estamos como estamos?” do Instituto Internacional de Aprendizagem para a Reconciliação Social (IIARS).

Promover nas escolas a abordagem das causas e consequências do conflito armado interno na Guatemala e o conteúdo dos acordos de paz. Estimular os professores e alunos a refletir sobre as ações necessárias para evitar que as graves violações dos direitos humanos cometidas durante esse período da história sejam repetidas. 

HONDURAS

Categoria A- A proposta “Educação Inclusiva e Adaptações Curriculares na Área Artística” do Instituto Governamental Héctor Pineda Ugarte tem o objetivo de sensibilizar a comunidade educativa e a sociedade como um todo sobre a importância da inclusão educacional dos alunos que apresentam necessidades educacionais especiais (NEE), a fim de alcançar o seu desenvolvimento pessoal, o seu bem-estar individual e a sua participação nos diversos âmbitos da sociedade e da coesão social.

Categoria B- O “Trabalhando juntos, avançamos!”, da Casa Alianza de Honduras (CAH) é um projeto que está sendo realizado com meninos, meninas, adolescentes e jovens (MMAJ) provenientes de lares com pobreza extrema, moradores de ruas, migrantes que regressaram, pessoas deslocadas internamente ou que tenham sofrido algum tipo de violência. Ele visa a restituição dos direitos dos NNAJ, com base nos direitos da criança por meio de ações e processos que garantam o desenvolvimento integral e uma vida digna, bem como as condições materiais e afetivas que permitam que eles vivam plenamente e alcancem o máximo bem-estar possível. Além disso, eles também recebem uma educação baseada em direitos apoiada por workshops, palestras e grupos de discussão, entre outros. Assim, os MMAJ conhecem e fazem valer os seus direitos.

Mais informação

MÉXICO

Categoria A - O Inovação Educacional Digital Rádio, Televisão e Imprensa Escolar; apresentado por Carlos Alberto Sánchez Valle, proveniente do estado de Coahuila, em Saltillo, é um projeto que incentiva excepcionalmente a participação das crianças como construtoras de seu conhecimento e responsáveis por sua divulgação. Como estratégia, pode ser replicado para as escolas que desejem executá-lo. É uma ação na qual os conteúdos de diferentes disciplinas estão entrelaçados e onde o trabalho por projetos está presente. Na prática, as crianças exercem os direitos à educação e à liberdade de expressão. Este projeto já percorreu um longo caminho, portanto, pode demonstrar as suas mudanças e melhorias a partir de sua experiência adquirida. Ele favorece a inclusão de crianças com deficiências, oferecendo apoio para o seu desenvolvimento socioemocional.

Categoria B- ESCOLA FEMINISTA, CÓDIGO F; apresentado por Melel Xojobal AC, proveniente de San Cristóbal de las Casas, em Chiapas.

O projeto consiste realmente em uma ação de educação em direitos humanos, com uma metodologia clara e bem coordenada com o RH da escola e com um alto envolvimento da comunidade em que se desenvolve. Ele é replicável em qualquer ambiente, dá voz às detentoras de direitos, rompendo os esquemas de reprodução das práticas limitantes do livre exercício de direitos. A ação que ele desempenha de situar claramente as fases ascendentes de um projeto de educação em direitos humanos bem implementado (sensibilização, capacitação, organização e impacto) proporciona aos detentores de direitos um amplo desenvolvimento de suas capacidades de autodeterminação. Esta iniciativa aborda um tema crítico em um núcleo com uma necessidade especial de atenção em questões de casamento infantil, gravidez na adolescência e baixa frequência das mulheres no campo educacional devido a atividades domésticas.

NICARÁGUA 

Categoria A - Intervenção educacional com meninas e meninos com o transtorno do espectro autista (TEA) em educação infantil (pré-escolar), ensino fundamental e médio. O Centro Educacional Rubenia é uma instituição de ensino privada com mais de 40 anos de empreendimento e inovação em educação infantil (pré-escolar), ensino fundamental e médio na Nicarágua. Atualmente, ele está tentando transformar o seu modelo de educação em uma intervenção educacional com meninas e meninos com o transtorno do espectro autista (doravante denominada TEA) a partir de uma abordagem inclusiva em seu processo de aprendizagem como parte de um projeto curricular. Tal projeto tem o propósito de implementar práticas pedagógicas de inclusão educacional para alguns alunos com TEA, em particular, e com alguma necessidade educacional especial (NEE), de maneira geral. Essa intenção é consistente com o direito à educação declarado pela UNESCO no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS4) sobre o acesso à educação inclusiva de qualidade. O direito à educação de qualidade para as pessoas com TEA é o mesmo que para os outros alunos. Neste sentido, o projeto tem a missão de adaptar-se às pessoas com ou sem TEA, em vez de essas pessoas se adaptarem ao centro educacional.

Categoria B - O objetivo de melhorar a qualidade educacional e a participação social da comunidade Sutiava em León, na Nicarágua, da Fundação Solidariedade Calasancia é aumentar o nível educacional, a participação comunitária e a integração social das crianças, dos jovens e de suas famílias do bairro de Sutiava (León) mediante processos educativos que abordem a integridade de sua pessoa. Durante os anos de execução, a iniciativa contribuiu para o crescimento e o desenvolvimento educacional de crianças e jovens do bairro de Sutiaba (León), expandindo as suas oportunidades para o futuro mediante processos educativos que compreendem a integralidade de sua pessoa e a promoção dos valores humanos e espirituais. Isso levou as famílias a serem beneficiadas por esses programas sociais de educação informal, porém integral, ampliando ainda mais as oportunidades de conhecimento e a busca no futuro de uma área de trabalho.

PANAMÁ

Categoria A -  A proposta “Eu sou diferente” do C.E.B.G. Bilíngue República da Alemanha promove os deveres e os direitos dos alunos para uma convivência harmoniosa dentro e fora da escola, fortalecendo as relações humanas em meio a diversidade cultural.

Categoria B- O “Futebol por La Paz” da Fundação Futebol com Coração é um projeto baseado no modelo de ensino integrado, com uma abordagem de direitos humanos. Neste sentido, o desenvolvimento de valores e habilidades dos meninos e meninas prevalece com a utilização de uma metodologia inovadora, da equidade de gênero, da motivação e do desempenho escolar mediante o futebol.

PARAGUAI 

Categoria B- Colégio Inmaculada Concepción. Projeto "Eu posso me desenvolver no meu ambiente". Por meio da metodologia de aprendizagem-serviço, os alunos da cidade de Encarnación demonstraram valores de respeito por suas próprias vidas e pela vida de outras pessoas e atuaram como agentes de mudança nos empreendimentos, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do país e criando espaços para a manifestação de amor, respeito e apreço pela própria cultura e pela dos outros. O objetivo é desenvolver com os alunos do terceiro ano do ensino médio do Colégio Inmaculada Concepción um programa de saúde integral, meio ambiente e empoderamento no bairro de San Pedro, na cidade de Encarnación, para que os alunos entendam a importância do papel da solidariedade e da participação cidadã para o desenvolvimento social. 

Categoria B - Projeto Arte Palavra- Para a vida. Artesanas de la Palabra- Coletivo de Arte e EducaçãoO Arte Palavra foi criado no bairro de Tacumbú, em Assunção. O local foi escolhido porque, com a escola, queremos não apenas formar contadores de histórias, mas também realizar atividades de alcance comunitário, influenciando positivamente por meio da arte. Deste modo, tanto as Artesanas de la Palabra quanto os participantes da oficina-escola estão envolvidos ativamente com um setor da sociedade marginalizado de expressões artísticas e culturais, como o direito humano. O objetivo é oferecer ferramentas para a iniciação na arte de contar histórias. A metodologia utilizada baseia-se na revitalização da memória emocional e coletiva por meio da pedagogia da afetividade, a fim de, posteriormente, descobrir a técnica cênica da palavra.

PERU

Categoria A- O projeto "Formando cidadãos solidários, competentes com valores e autonomia responsável" da Escola Conveniada Solaris “Los Olivos” (Solaris, no Peru) implementa recursos de convivências para que os alunos da escola aprendam a viver, conviver, compartilhar e se comunicar, promovendo um clima favorável individual e coletivo com a participação democrática, melhorando a sua autoestima, para formar cidadãos solidários com autonomia responsável. 

Categoria B- A “Ludoteka Pukllana” do Centro de Educomunicação San Viator da Associação de Comunicadores e Educadores Viator de Lima promove e fortalece o desenvolvimento integral de todas as dimensões dos meninos e meninas de Collique, no município de Comas. O projeto dedica atenção especial aos processos de interaprendizagens por meio da pedagogia e da metodologia educomunicativa, com estratégias lúdicas, participativas e interativas, desenvolvendo identidades culturais andinas e amazônicas.

PORTUGAL

Categoria A- O projeto “Por um mundo mais tolerante” do Agrupamento de Escolas João da Silva Correia, de São João da Madeira, desenvolvido em um contexto curricular e extracurricular, defende a igualdade de gênero, a promoção da paz, o desenvolvimento de valores de tolerância e inclusão e o combate à discriminação por meio de atividades artísticas, tais como as representações teatrais, a música ou a escrita.

Categoria B- O projeto “Academia de Líderes Ubuntu” do Instituto Padre António Vieira (IPAV), no Porto, capacita jovens com elevado potencial de liderança provenientes de contextos de exclusão social para que possam desenvolver as suas habilidades pessoais e participar mais nestas situações, desenvolvendo ou integrando projetos de inovação e empreendedorismo social ao serviço da comunidade.

Mais informação

PORTO RICO

Categoria A - O projeto Agricultura em Harmonia com o Meio Ambiente da Escola de Ensino Fundamental S.U. Botijas tem mantido uma trajetória contínua de duas décadas, trabalhando com os estudantes de uma comunidade localizada no centro da ilha e com um alto nível de pobreza. O projeto nasceu com o objetivo de aprender as habilidades de produção de alimentos saudáveis, utilizando práticas agroecológicas que não sejam prejudiciais para o ser humano, a biodiversidade ou os elementos que tornam a vida possível: água, solo e ar. O programa tornou-se o lar de mais de cem estudantes e famílias que frequentam a fazenda durante cada ano escolar e muitos alunos formados são testemunhos vivos de que a ação tem ensinado sobre a resiliência, a aprendizagem e os direitos humanos. 

Categoria B - Os pais adolescentes em Porto Rico são afetados por uma infinidade de fatores que dificultam e impedem o pleno exercício da autoridade parental sobre os seus filhos, sendo o acesso a recursos sociais e comunitários um dos de maior impacto negativo. O projeto “Defendendo o que somos” é dividido em três fases: a primeira fase consiste em entender a necessidade das famílias de pais adolescentes e como abordá-la; a segunda fase, em desenvolver estratégias para atender à necessidade identificada; e a terceira fase, em obter uma lei especial para atender à necessidade enfrentada pela população de pais adolescentes vulneráveis.

REPÚBLICA DOMINICANA

Categoria A- A iniciativa “Acampamento Arahuacos” da escola Babeque centra-se na recreação como um direito humano. Os alunos do centro organizam espaços lúdicos e educacionais para as meninas e os meninos da comunidade de La Yuca, para que eles tenham espaços recreativos e seguros durante as férias de verão e adquiram consciência do direito à educação, à proteção e à recreação.  

Categoria B- A proposta “Empoderamento das famílias pelo direito à amamentação” da Prolactar RD visa garantir a amamentação como um direito humano que deve ser protegido, realizando ações de sensibilização, de acompanhamento e de impacto social. O projeto articula milhares de mulheres em todo o país, bem como uma rede de voluntários e profissionais da saúde.  

 URUGUAI

Categoria A-Mãos que veem – Centro de Recursos para Alunos Cegos e com Baixa Visão

O projeto “Mãos que veem”, realizado pelo Centro de Recursos para Alunos Cegos e com Baixa Visão (CeR), utiliza a impressão de peças em 3D como ferramenta para a inclusão de pessoas com deficiência visual no campo da arte. A proposta consistiu na criação de dez peças texturizadas com as respectivas referências em Braille, além de brinquedos de madeira texturizados e as mesas de exposição que acompanham cada peça. Embora o público a que a exposição se destina sejam pessoas com Deficiência Visual, a mostra está aberta ao público em geral e prevê que os visitantes desenvolvam a sensibilidade para a situação de inclusão social de pessoas com deficiência visual. A iniciativa teve início na área de uma disciplina específica, a de comunicação visual, mas logo o projeto se tornou transversal e envolveu a ciência da computação, desenho gráfico, modelagem 3D, etc.

Categoria B-Projeto Participação / Centro Educacional Providência

O projeto visa promover o direito dos meninos, meninas e adolescentes de expressar livremente a sua opinião e fazer ouvir suas vozes em diferentes áreas da sociedade, utilizando dois programas para a sua realização: assembleia e parlamento.

Compreendendo o valor de fomentar desde tenra idade o diálogo, a tolerância e o respeito, esta experiência educacional é realizada com o propósito de que os meninos, meninas e adolescentes de Montevidéu se desenvolvam como membros comprometidos e sensíveis no que se refere ao que se passa na sociedade, promovendo a sua participação nos assuntos públicos, procurando que influenciem diretamente a realidade e contribuíam para que ocorra a mudança na vida cotidiana.

Mais informação